Foto: Reprodução

A Secretaria Especial de Cultura publicou, nesta quinta-feira (16), um vídeo para anunciar o Prêmio Nacional das Artes, que conta com o valor de R$20 milhões para o projeto vencedor. No vídeo, o secretário da Cultura, Roberto Alvim, afirma que “A arte brasileira da próxima década será heróica e nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada”. Além da fala, a trilha sonora do vídeo é a ópera “Lohengrin”, de Richard Wagner, celebrado por Joseph Hitler que influenciou em sua formação ideológica de extrema direita.

O discurso do secretário causou polêmica e indignação de autoridades políticas e da sociedade civil, por ser baseado na retórica do ministro da propaganda da Alemanha nazista, Joseph Goebbels, que originalmente afirmou “”A arte alemã da próxima década será heróica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada”. 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu, em suas redes sociais nesta sexta-feira (17), o afastamento de Alvim do cargo. “O secretário da Cultura passou de todos os limites. É inaceitável. O governo brasileiro deveria afastá-lo urgente do cargo”, publicou em seu Twitter. O presidente nacional do MDB, deputado Baleia Rossi (SP), emitiu uma nota de repúdio ao episódio. A Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom), informou que o Palácio do Planalto não irá comentar sobre o vídeo. O presidente Jair Bolsonaro decidiu por demitir o secretário. O ministro da Cultura, Marcelo Álvaro Antônio, já foi informado da decisão. 

Compartilhe