Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

O Jornal Nacional desta terça-feira (29) anunciou que teve acesso exclusivo a registros da portaria do Condomínio Vivendas da Barra, no Rio de Janeiro, onde mora o principal suspeito de matar a vereadora Marielle Franco – o mesmo condomínio onde Jair Bolsonaro possui uma casa. 

Segundo a reportagem, o porteiro afirmou que no dia 14 de março de 2018, horas antes do assassinato, um dos suspeitos, Élcio de Queiroz entrou no condomínio e afirmou que iria na casa de Bolsonaro, que estava em Brasília, segundo registros de presença da Câmara dos Deputados. 

A antiga procuradora-geral da República, Raquel Dodge, em seu último ato no cargo, solicitou ao Superior Tribunal de Justiça a federalização da investigação do caso de Marielle. O atual PRG, Augusto Aras afirmou que “na verdade, existe uma discussão entre o MPF, no que toca a minha antecessora, e o MP estadual do Rio. Compete ao STJ decidir se vai julgar procedente ou improcedente o incidente de federalização número 24.”

 

Compartilhe