Marcelo Camargo/Agência Brasil

Nesta terça-feira (09) o governador de São Paulo, João Dória (PSDB-SP) afirmou que “o melhor seria uma saída espontânea” de Aécio Neves do partido, devido às investigações em curso da Lava-Jato que mencionam o tucano. Dória afirmou que a presença de Aécio no partido tem causado desconforto e que seria mais ético que ele pedisse para sair. 

No dia seguinte, quarta-feira (10) o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB-SP) manifestou sua intenção de que Aécio Neves seja expulso. O diretório municipal do partido enviou um pedido de expulsão do político ao diretório nacional. No entanto, o diretório de Belo Horizonte ameaçou a expulsão de Covas por um processo de improbidade administrativa nos carnavais de 2018 e 2019, ainda em investigação. 

De acordo com Bruno Covas, “se o diretório do PSDB de Belo Horizonte quer a minha expulsão, essa é uma boa decisão, então, que fica agora para o PSDB nacional: ou eu ou Aécio Neves no partido”.