O Palácio do Planalto prevê que as contas públicas voltarão ao azul em 2019, caso a PEC dos Gastos seja aprovada, mas o FMI (Fundo Monetário Internacional) discorda. No relatório Monitor Fiscal, lançado nesta quarta (5), o FMI prevê que o superávit primário (arrecadação maior que despesas, excluindo pagamento de juros) só será possível em 2020. Políticas fiscais expansionistas adotadas no Brasil levaram o governo a acumular dívida de 73% do PIB, “30 pontos percentuais mais alta que a média dos países emergentes”. Sem mudanças na política fiscal a dívida bruta do setor público pode chegar a 93,6% do PIB em 2021. (Folha)

TCU rejeita contas de Dilma

O Tribunal de Contas da União (TCU) rejeitou as contas de 2015 da ex-presidente Dilma Rousseff. O tribunal deixou de fora do parecer algumas medidas provisórias de Dilma, beneficiando o governo Temer. Segundo o ministro relator, não existe discrepância: “Não trataremos este novo governo de forma diferente do tratamento dado ao governo anterior. Se o comportamento for semelhante, o tratamento desta Corte será o mesmo”. O parecer pela rejeição afirma que “não houve observância plena aos princípios constitucionais e legais que regem a administração pública federal”. E defende a rejeição das contas pelo Congresso Nacional, que terá a palavra final sobre o tema. (O Globo)

PF indicia Lula por corrupção

A Polícia Federal (PF) indiciou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por corrupção. A suspeita é de que Lula tenha recebido parte de uma propina de R$ 20 milhões da Odebrecht. O valor teria sido repassado pelo favorecimento da empreiteira na ampliação da hidrelétrica de Cambambe, localizada em Angola, em 2012. Também foram indiciados Marcelo Odebrecht e o empresário Taiguara Rodrigues, sobrinho do petista. Lula já prestou depoimento sobre o assunto anteriormente e afirmou que todos os contratos foram feitos sem nenhuma ilegalidade. (Estadão)