Devemos ter o menor número de disputas resolvidas em primeiro turno desde 2000 nas eleições municipais de outubro. É o que aponta levantamento realizado pela Arko Advice. Mantido o quadro mostrado pelas pesquisas nas 26 capitais, teremos, no máximo, 8 disputas sendo finalizadas já no dia 2 de outubro. Esse número, se confirmado, será o menor desde 2000. Até então, 2012 foi o ano com menos disputas encerradas no primeiro turno: 12.

Como consequência, teremos um crescimento do número de disputas em segundo turno, o que poderá ocorrer em até 21 das 26 capitais. Mesmo que tenhamos segundo turno em 18 capitais, mínimo previsto tendo como base as pesquisas publicadas até agora, seria o maior número desde 2000.

Uma das explicações para o aumento de disputas em dois turnos é o crescimento da fragmentação do sistema partidário e também a existência de um ambiente político mais crítico.

Com mais legendas disputando eleições e a opinião pública fazendo uma avaliação mais negativa dos governos, a pulverização cresce, pois candidatos com percentuais que variam de 13% a 15% possuem condições de lutar por uma vaga no segundo turno, fato que serve para os partidos lançarem o máximo possível de candidaturas próprias.

Índice de reeleição entre 50% e 65%

O índice de reeleição dos prefeitos que disputarão um novo mandato em outubro deve variar de 55% a 65%. Embora o índice possa melhorar em relação a 2012, quando 50% dos prefeitos que buscaram a reeleição obtiveram sucesso nas urnas, o percentual tende a ser inferior ao de eleições municipais anteriores.

A queda do índice de reeleição está muito ligada à piora do ambiente econômico no país, que atinge fortemente os estados e os municípios. Com as prefeituras enfrentando maiores dificuldades financeiras, atender às inúmeras demandas com limitados recursos produz mais insatisfação que satisfação entre os eleitores, trazendo mais dificuldade para os candidatos que entram nas eleições defendendo a continuidade.