O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que o Brasil enfrenta a crise mais intensa de sua história e que não será uma surpresa se o recuo do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano for o maior desde que começou a contabilidade nacional no País. “Estamos vivendo crise mais intensa da história do Brasil. Vamos aguardar, mas não será surpresa se contração deste ano for a mais intensa desde que PIB começou a ser medido no início do século 20, até maior do que nos anos 30. É uma crise que gerou 11 milhões de desempregados. Então, nós temos que reverter esse processo”, afirmou Meirelles. (Estadão)

‘Queriam que Cunha fosse absolvido?’, diz deputado sobre adiamento

Após uma manobra na terça-feira (7) para evitar a absolvição do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no Conselho de Ética, o presidente do conselho, José Carlos Araújo (PR-BA), admitiu nesta quarta (8) que adiou a votação porque “era clara a vitória” do peemedebista. Apesar de afirmar que resolveu desmarcar as sessões desta semana para não atrapalhar a votação no plenário de matérias importantes para o governo, Araújo também admitiu que pesou na decisão a vantagem obtida por Cunha no conselho. (Folha)

Operador que teria abastecido conta de João Santana faz delação premiada

Réu na Lava Jato sob a acusação de intermediar propinas do esquema de corrupção que atuava na Petrobras, o engenheiro Zwi Skornicki assinou acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (PMF). Preso desde fevereiro, ele deve começar a prestar depoimentos aos procuradores da República nos próximos dias. Skornicki foi detido na 23ª fase da Lava Jato, batizada de Acarajé. Na mesma etapa da operação, foi preso o casal de marqueteiros João Santana e Mônica Moura, responsáveis pelas campanhas presidenciais de Dilma Rousseff em 2010 e 2014. (G1)