1. O PMDB abandona Dilma e vai trabalhar pelo impeachment. A decisão será oficializada hoje. O ministro do Turismo, Henrique Alves (RN), deixou o cargo. O vice-presidente Michel Temer reuniu-se com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), quando definiram que o rompimento com o governo será por aclamação. O PT chama Temer de “chefe do golpe” (Estadão – p.A4).
  2. Sobe a estrela de Henrique Meirelles como possível ministro da Fazenda de eventual governo de Michel Temer (PMDB-SP). No sentido contrário, caem as apostas no nome de Armínio Fraga para o cargo. A imagem de Armínio Fraga seria colada demais à do senador e ex-candidato do PSDB Aécio Neves, o que desagradaria a Michel Temer, por estar associado a um período de recessão e desemprego, segundo interlocutores diretos do vice (Coluna de Mônica Bergamo – Folha).
  3. O Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao STF parecer em que defende a posse de Lula como ministro da Casa Civil, mas, ao ver indícios de irregularidade em sua nomeação, pede que as investigações sobre ele sejam mantidas na Justiça de 1º grau, onde o juiz Sérgio Moro conduz processos da Lava-Jato. A nomeação que daria a Lula foro privilegiado está suspensa por liminar do ministro Gilmar Mendes (Estadão – p.A9).

Eventos:

  • 10h – Nelson Barbosa fala na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado.
  • 15h – PMDB decide se continua no governo.