O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou, na quinta-feira (19), que não se sentiu constrangido pela manobra que ele fez no Plenário ontem. Na sessão, alguns deputados pediram que ele anulasse a decisão de encerrar a sessão do Conselho de Ética, convocada para apreciar o parecer preliminar em que o deputado Fausto Pinato (PRB-SP) recomendava a admissibilidade da representação do Psol e da Rede contra Eduardo Cunha, por suposta quebra de decoro. De acordo com a Agência O Globo, diante da negativa, muitos deputados gritaram, acusando-o de manobrar em causa própria e deixando o plenário em protesto.

— Eu não vou me constranger por um processo que é político, daqueles que eventualmente fazem oposição a mim. Não vão me constranger por isso, já estou vivenciando esse processo há algum tempo e nada disso vai mudar meu comportamento. Tanto que esperei acabar toda a confusão e, a partir dali, fiz a suspensão — disse Cunha, acrescentando:

— Não dá para tomar decisão debaixo de grito, a Casa não será conduzida debaixo de grito.

Indagado sobre a perda de apoios políticos na Casa, depois do PSDB, também o DEM e outros partidos de oposição, ele afirmou que precisava de suporte para se eleger. E que se elegeu sem o PSDB. Sobre o apoio do PT no dia de hoje, ele preferiu não comentar e disse apenas que não está “nem buscando, nem rejeitando apoios”. Mas comparou o movimento para que ele deixe a presidência da Casa ao movimento para retirar Dilma Rousseff da Presidência da República.