Início » Notícia sobre grampo põe Temer em alto risco

Notícia sobre grampo põe Temer em alto risco

A+A-
Reset

De acordo com o jornalista Lauro Jardim, do jornal O Globo, os donos da JBS disseram em delação à Procuradoria-Geral da República (PGR) que gravaram o presidente Michel Temer dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do doleiro Lucio Funaro, ambos presos pela Operação Lava-Jato. Temer teria indicado o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver a questão.
Ao saber da iniciativa, o presidente Temer, teria dito que “tem que fazer isso, viu?”. Ainda de acordo com a notícia, Loures teria sido filmado recebendo R$ 500 mil providenciados por Joesley Batista, um dos donos da JBS.

A revelação é muito grave tanto do ponto de vista político quanto por seus aspectos jurídicos, e pode desencadear uma série de eventos potencialmente catastróficos para o governo.

1. Como já estava no exercício da presidência da República durante a gravação do empresário, Temer pode ser investigado por obstrução de Justiça. A autorização depende do plenário do Supremo Tribunal Federal e poderá ser pedida pela PGR;
2. As revelações podem mobilizar a oposição em favor do impeachment de Temer. O deputado Alessandro Molon (REDE-RJ) já apresentou um pedido. A aceitação depende do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ);
3. O dramático enfraquecimento político do governo, no mínimo, deve provocar atraso no calendário de tramitação das Reformas Trabalhista e Previdenciária. Não há como prosseguir o debate com suspeitas de tamanha gravidade. Não devemos descartar o abandono da agenda de reformas;
4. O episódio pode afetar o julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral, marcado para começar no dia 8 de junho. Caso o governo não consiga conter o dano, o julgamento do TSE pode servir de válvula de escape para a crise e determinar a anulação da chapa Dilma-Temer. Já que poderá ser o caminho mais curto para afastar o presidente e resultar numa eleição indireta no Congresso para um mandato-tampão;
5. O episódio poderá dar força às manifestações e mobilizações defendendo o “Fora, Temer” e em favor de eleições diretas;
6. Se as denúncias forem devidamente comprovadas, e tiverem desdobramentos ainda mais negativos, não descartamos a possibilidade de renúncia como forma de abreviar a crise e dar uma chance de recomeço político.
Por fim, reiteramos que a gravidade dos acontecimentos para a viabilidade do governo Temer dependerá de sua devida confirmação.

Páginas do site

Sugira uma pauta ou fale conosco

Usamos cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Ao clicar em "Aceitar", você concorda com o uso de cookies. Aceitar Saiba mais