Senadora Simone Tebet. Foto: Divulgação/MDB

O MDB oficializou nesta quarta-feira (27) senadora Simone Tebet (MS) como candidata do partido à Presidência da República. Apesar de resistências internas, a senadora foi aprovada com o aval da maioria dos diretórios do partido, por 262 votos favoráveis e nove contrários. Também nesta quarta, mais cedo, o PSDB e o Cidadania confirmaram a aliança eleitoral em apoio à senadora mato-grossense, mas adiaram a escolha do nome para a vice na chapa.

Votaram 182 delegados do partido — alguns com direito a mais de um voto, por causa das funções que desempenham na estrutura do MDB possuem cargo eletivo. Delegados integrantes dos diretórios de Alagoas e Paraíba, no total de 97, não votaram.

O presidente do MDB, Baleia Rossi (SP), referiu-se a Simone Tebet como futura presidente do Brasil, ao lembrar que ela obteve apoio de 97% dos delegados. “Não percorremos o caminho mais fácil, não percorremos o caminho da velha política, do ‘toma lá, dá cá’, das negociações não republicanas. Não percorremos um caminho fácil, mas percorremos o melhor caminho”, afirmou.

Antes, ao se manifestar durante a reunião, a senadora afirmou que a candidatura própria ao Palácio do Planalto dará ao MDB mais envergadura para eleger um número maior de postulantes ao Legislativo.

Com a declaração, a senadora tentou atrair os correligionários que vão concorrer a vagas no Parlamento, que costumam argumentar que o partido deveria investir os recursos de que dispõe para tentar aumentar suas bancadas no Congresso, em vez de apostar numa candidatura ao Executivo federal que soma 1% nas pesquisas, como Tebet.

“Em 2020, o Brasil viu o MDB continuar sendo a maior força política partidária do país, com o maior número de eleitos (para prefeituras). Agora temos condições de nos tornar gigantes. Estamos prontos para fazer o maio número de deputados estaduais, federais, senadores e governadores”, afirmou a senadora.

Após a confirmação de seu nome como candidata do MDB, Tebet disse que se tornará mais conhecida com o trabalho forte nas redes sociais e de viagens. “Eu não tenho medo de nada. Sou ficha limpa e posso andar nas ruas com tranquilidade, conversar com pessoas e dar entrevistas. Estou muito confiante que a partir de agora me torno mais conhecida. Não precisaremos chegar a dois dígitos para estarmos convictos que estaremos no segundo turno”, afirmou.

A candidatura de Tebet foi a que vingou de todas as tentativas de organização da chamada terceira via, e ela se coloca como a opção para o eleitor que quer fugir da polarização entre Lula e Bolsonaro. Outras propostas de candidaturas para se opor a esse cenário polarizado foram naufragando ao longo dos últimos anos.

Autor

  • Jornalista, formado pela UFMG, em 1973. Trabalhou em O Globo, Jornal do Brasil, Jornal de Brasília, Folha de S. Paulo, Assessoria de Imprensa do Ministério da Fazenda e sub-secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (1994 a 2003) e integrante da Assessoria Parlamentar da ANTT (2015-2021).