Foto: divulgação/governo de São Paulo

A pesquisa do instituto Real Time Big Data divulgada na semana passada apontou que o governador Rodrigo Garcia (PSDB) tem 16% das intenções de voto. Garcia larga atrás do ex-prefeito Fernando Haddad (PT), que lidera com 34%, e também do ex-ministro Tarcísio de Freitas (Republicanos), que registra 20%.

Conforme podemos observar na tabela abaixo, Rodrigo Garcia possui a pior largada, no mês de julho, quando faltam cerca de três meses para as eleições, de um candidato do PSDB na disputa ao Palácio dos Bandeirantes desde 1994. Até então, quem possuía o pior desempenho era o então governador Mario Covas (PSDB), que em julho de 1998 tinha somente 18%.

Naquela disputa, Covas quase não disputou o segundo turno. Em 98, Covas teve 22,95% dos votos válidos no primeiro turno. Ficou em segundo lugar. Quase foi ultrapassado pela então deputada Marta Suplicy (PT), que atingiu 22,51% dos votos válidos. O primeiro colocado foi Paulo Maluf (PPB), que teve 32,21%. No segundo turno, Covas acabou se reelegendo ao derrotar Maluf por 55,37% contra 44,63%.

ELEIÇÕES CANDIDATO DO PSDB INTENÇÃO DE VOTO EM JULHO (%)
1994 Mario Covas 48
1998 Mario Covas 18
2002 Geraldo Alckmin 25
2006 José Serra 48
2010 Geraldo Alckmin 49
2014 Geraldo Alckmin 54
2018 João Doria 25
2022** Rodrigo Garcia 16

*Fonte: Instituto Datafolha
**Pesquisa do instituto Real Time Big Data

Neste momento, a intenção de voto de Rodrigo Garcia é 9 pontos percentuais mais baixa que a registrada por João Doria (PSDB), em 2018, na eleição em que Doria se elegeu governador numa acirrada disputa com Márcio França (PSB).

No entanto, em 2018, Doria, que aparecia com 25% das intenções de voto, dividia a liderança com Paulo Skaf (MDB). Há quatro anos, Skaf tinha 23% e o então governador Márcio França (PSB) somava 8%. Ao final do primeiro turno, Doria atingiu 31,77% dos votos válidos. França teve 21,53% e Skaf ficou com 21,09%. No segundo turno, Doria venceu França por 51,75% a 48,25%.

O desempenho que João Doria tinha em julho era o mesmo do registrado pelo então governador Geraldo Alckmin (PSDB) em 2002. Nesse pleito, Alckmin teve 38,28% dos votos válidos no primeiro turno. O então deputado José Genoino (PT) ficou em segundo lugar com 32,45%. E Paulo Maluf (PPB) atingiu 21,37%. No segundo turno, Alckmin derrotou Genoino por 58,64% a 41,36%.

Com as exceções de 1998, 2002 e 2018, os candidatos a governador do PSDB em 1994, 2006, 2010 e 2014 tinham, em julho do ano da eleição, 48% ou mais das intenções de voto. Em três dessas quatro eleições (2006, 2010 e 2014), o candidato tucano venceu a disputa em primeiro turno – José Serra (2006) e Geraldo Alckmin (2010 e 2014).

Tendo hoje a pior largada de um candidato do PSDB desde 1994, o partido enfrentará a eleição mais difícil em seu principal reduto eleitoral. Além de Rodrigo Garcia carregar o desgaste de 24 anos de poder no PSDB no estado, terá dois adversários fortes pela frente: Fernando Haddad, que conta com cabos eleitorais de peso como o ex-presidente Lula (PT) e os ex-governadores Geraldo Alckmin (PSB) e Márcio França (PSB); e o ex-ministro Tarcísio de Freitas (Republicanos), que representa o bolsonarismo.

Autor

  • Bacharel em Ciência Política pela Ulbra-RS. Analista político da Arko Advice Pesquisas e Consultor político e de Marketing Eleitoral formado pela Associação Brasileira dos Consultores Políticos (ABCOP). Possui MBA em Marketing Político, Comunicação e Planejamento Estratégico de Campanhas Eleitorais pela Universidade Cândido Mendes. Concluiu também os seguintes cursos de extensão: "A Nova Cartografia do Poder, a política brasileira da era digital" (PUC-SP); "WhatsApp em Campanhas Eleitorais (PUC-RJ)"; e "Mídias Sociais e Gestão Estratégica de Campanhas Políticas Digitais (PUC-RJ)".