Início Congresso Câmara dos Deputados Após aprovação em primeiro turno, Lira suspende votação da PEC dos Benefícios

Após aprovação em primeiro turno, Lira suspende votação da PEC dos Benefícios

Sessão foi marcada por problemas no sistema de votação

Lira sobre os precatórios: Não iremos furar o teto; não há possibilidade de calote
Presidente da Câmara, dep. Arthur Lira (PP - AL). Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados aprovou o texto-base da PEC 15/22 na noite desta terça-feira (12). Também conhecida como PEC dos Benefícios, o texto turbina e cria pacote novos auxílios sociais, além de garantir competitividade tributária de biocombustíveis nos postos de gasolina. Foram 393 votos a favor e 14 contrários.

O texto aprovado na Comissão Especial determina a criação de um estado de emergência em razão da crise dos combustíveis no país, um dos pontos de maior divergência no projeto. A medida abre espaço no Orçamento e viabiliza o custeio dos subsídios à população. O ponto é controverso na oposição, que apresentou destaque para tentar barrar o trecho.

Os deputados faziam leitura dos destaques quando Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara, suspendeu a sessão e marcou a retomada da análise para a manhã de quarta-feira (13). Usou de justificativa uma série de inconsistências no sistema da Casa, que teve dois servidores derrubados durante a votação. A ocorrência levou a queda na rede de Wi-Fi, transmissão da sessão plenária e a interrupção do Infoleg, sistema utilizado para votar remotamente. A questão foi tratada como ofensiva contra a Câmara e Lira acionou a Polícia Federal (PF).

“Não é usual que dois sistemas de internet sejam desligados simultaneamente na Câmara. Não há juízo de valor”, declarou Lira, que prometeu fazer queixa formal no Ministério da Justiça e à Polícia Federal.

Autores