Início Home Governistas pedem preferência para CPIs que miram na gestão do PT

Governistas pedem preferência para CPIs que miram na gestão do PT

Líder do governo no Senado apresentou ofício solicitando a CPI das Obras Inacabadas do governo petista

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O governo reforçou a ofensiva para tentar impedir a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Ministério da Economia (MEC) ou diminuir o seu efeito, tendo em vista que a oposição alcançou o número de assinaturas necessárias para a instalação da CPI do MEC. A estratégia é pedir que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, instale primeiro CPIs que investigam ações de governos anteriores.

Isso porque cada senador só pode ocupar duas CPIs em simultâneo, o que limita a capacidade dos senadores da oposição articularem, ao mesmo tempo, ofensiva e defesa.

O líder do governo no Senado, Carlos Portinho (PL-RJ) , apresentou um ofício pedindo que Rodrigo Pacheco dê preferência para a instalação da CPI das Obras Inacabadas. A proposta é que sejam investigadas possíveis irregularidades na execução de obras de infraestrutura entre 2006 e 2018. Portinho chega a citar, no documento, a decisão do STF que garantiu a instalação da CPI da Covid. “Decidiu-se que sendo preenchidos os requisitos que a Constituição estabelece as CPIs devem ser instaladas, não cabendo, portanto, possibilidade de omissão ou análise de conveniência política por parte da Presidência da Casa Legislativa”, disse Portinho.

Já o senador Plínio Valério (PSDB-AM), pede preferência para a CPI das ONGs, que investigaria a liberação de recursos públicos para organizações fraudulentas de 2002 a 2019.

Caso a CPI que pretende investigar a corrupção do MEC seja instalada, o presidente Jair Bolsonaro pode enfrentar problemas para concretizar a sua reeleição, que tem sido o pré candidato com o maior índice de rejeição nas pesquisas de intenção de voto.

Autor

  • Jornalista brasiliense formado pela Universidade de Brasília (UnB). Tem passagem como repórter pelo Correio Braziliense, Rádio CBN e Brasil61.com. No site O Brasilianista cobre economia e política.