O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) é autor do requerimento para instaurar a comissão. Foto: Pedro França/Agência Senado

A oposição do Senado conseguiu nesta quinta-feira (23) o apoio mínimo de 27 assinaturas para abrir Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar denúncias de corrupção no Ministério da Educação (MEC).

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do requerimento, afirmou que vai esperar até a próxima semana para tentar obter 30 assinaturas. Ele pretende blindar o requerimento contra a ofensiva do governo que tenta convencer senadores a retirarem o apoio. A Comissão tem potencial para provocar desgastes ao Palácio do Planalto.

Randolfe espera instalar a CPI ainda antes do recesso parlamentar, mas assume que o início dos trabalhos pode ficar para agosto. Ainda que as assinaturas tenham sido coletadas, a instalação da comissão dependerá do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

“Ainda não cogito a ida ao STF porque o presidente Pacheco, constitucionalista que é, dará cabo à instalação da CPI”, declarou.

Questionado sobre a possibilidade da instalação da CPI da Petrobras na Câmara, o senador declarou que não considera negativo o funcionamento de outras comissões parlamentares de inquérito em paralelo. O governo tenta emplacar outras de forma a diluir o funcionamento da CPI do MEC.

Randolfe assumiu a possibilidade de ter o presidente Jair Bolsonaro (PL) como alvo das investigações na Casa. Ele pondera que o próprio ex-ministro Milton Ribeiro citou que suas ações foram tomadas atendendo pedidos do chefe do Planalto.

Veja a lista de assinaturas:

Autores

  • Jornalista brasiliense formado pela Universidade de Brasília (UnB). Tem passagem como repórter pelo Correio Braziliense, Rádio CBN e Brasil61.com. No site O Brasilianista cobre economia e política.

  • Editora-chefe na Arko Advice, desde fevereiro de 2022. Antes, atuou como repórter de política na CNN Brasil. Foi correspondente internacional em Nova Iorque pela Record TV. Atua em redação há 18 anos.