(Brasília - DF, 06/06/2022) Entrevista para TV Band. Foto: Isac Nóbrega/PR

Em entrevista ontem à TV Terra Viva, canal de agronegócios operado pelo Grupo Bandeirantes, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que, se for reeleito, pretende criar até três ministérios.

O presidente citou a pasta de Segurança Pública, quer seria separada da Justiça, a volta dos ministérios da Indústria e Comércio e da Pesca. Bolsonaro também admitiu sofrer pressão para demitir o ministro da Economia, Paulo Guedes, sem o intuito de “resolver certos assuntos”, sem detalha quais.

As promessas de Bolsonaro para aumentar o número de ministérios contrariam seu discurso feito durante a campanha de 2018.

Na oportunidade, o então candidato do PSL criticava o que dizia ser “loteamento do Estado”, prometendo reduzir o número de ministérios para 15. “O país funcionará melhor com menos ministérios.” Naquele momento existiam 29 ministérios na administração federal e o candidato prometia governar com 15 pastas. No entanto, quando tomou posse o número de ministérios era 22. Atualmente, são 23.

No mês passado o presidente já havia mencionado a possibilidade de recriar o Ministério da Indústria e do Comércio durante encontro com empresários mineiros.

Terra indígena

Na entrevista à TV Terra Viva, o presidente voltou a falar também sobre atividades de exploração mineral em áreas indígenas.

O assunto que começa a chamar a atenção da imprensa estrangeira envolve justamente atividades econômicas em área indígena, com o desaparecimento de um funcionário (licenciado) da Funai e um jornalista inglês, do jornal “The Guardian”.

A Polícia Federal e Polícia Militar do estado do Amazonas, ganharam reforço da Marinha do Brasil na intensificação das buscas na região do rio Javari, na divisa com o Peru.

A área é frequentada por madeireiros, mineradores e pescadores. Bruno Araújo Pereira (da Funai) e Dom Phillips, colaborador do jornal “The Guardian”, sumiram na região do município de Atalaia do Norte (AM) no domingo. A polícia já prendeu dois suspeitos.

Autor

  • Jornalista, formado pela UFMG, em 1973. Trabalhou em O Globo, Jornal do Brasil, Jornal de Brasília, Folha de S. Paulo, Assessoria de Imprensa do Ministério da Fazenda e sub-secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (1994 a 2003) e integrante da Assessoria Parlamentar da ANTT (2015-2021).