Foto: Governo de SP/Divulgação

A decisão anunciada pelo ex-governador de São Paulo (SP) João Doria (PSDB) em desistir da pré-candidatura ao Palácio do Planalto mexe não apenas no cenário nacional mas, principalmente, na disputa pelo governo de SP. Além disso, incógnitas cercam o futuro político de Doria.

Sem Doria como candidato à Presidência, o governador e pré-candidato à reeleição Rodrigo Garcia (PSDB), terá mais liberdade para tentar construir uma marca própria para seu governo, tentando convencer o mercado eleitoral de que ele é diferente de João Doria. Por trás desse movimento estratégico está a necessidade de Garcia de se afastar da alta rejeição de Doria.

No entanto, os dois principais adversários de Rodrigo Garcia – o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) e o ex-ministro Tarcísio de Freitas (Republicanos) – reforçarão em suas narrativas a vinculação de Garcia com Doria.

Outro obstáculo que pode surgir para Garcia é se Doria desejar concorrer, por exemplo, a deputado federal ou ao Senado. Após desistir de seu projeto nacional, o ex-governador viajou para o exterior e, na volta ao país, poderá anunciar seu destino político. Uma candidatura a senador de Doria parece improvável, pois, dificilmente o ex-governador conseguiria se eleger. Já uma candidatura a deputado federal não deve ser descartada, apesar de ser improvável. Assim, o mais provável é que Doria volte a atuar no setor privado, ao menos por enquanto.

Como forma de evitar que João Doria seja candidato nas eleições de outubro, aliados projetam, por exemplo, uma eventual nova candidatura de Doria à Prefeitura de SP nas eleições de 2024.

Se for candidato em 2024, Doria poderá provocar uma divisão na base do prefeito Ricardo Nunes (MDB), que deve buscar um novo mandato. Vale lembrar que Nunes assumiu o cargo em 2021, em decorrência do falecimento do então prefeito Bruno Covas (PSDB).

João Doria se elegeu prefeito de São Paulo pela primeira vez nas eleições de 2016. O tucano, porém, deixou o cargo em 2018 para concorrer justamente ao Palácio dos Bandeirantes.

Em 2022, ele renunciou ao posto de governador paulista após vencer as prévias do PSDB contra Eduardo Leite para ser o candidato da legenda à Presidência da República.

Apesar de aliados de João Doria defenderem uma nova candidatura a prefeito, o ex-governador tem obstáculos pela frente. Além do desejo de parte do PSDB em seguir com Ricardo Nunes, há outro forte candidato postado no tabuleiro: Guilherme Boulos (PSOL), que concorrerá a deputado federal e deve buscar se eleger prefeito em 2024. Vale lembrar que nas eleições de 2020, Boulos surpreendeu ao chegar ao segundo turno e ser derrotado por Bruno Covas, que conquistou a reeleição naquela disputa.

Autor

  • Bacharel em Ciência Política pela Ulbra-RS. Analista político da Arko Advice Pesquisas e Consultor político e de Marketing Eleitoral formado pela Associação Brasileira dos Consultores Políticos (ABCOP). Possui MBA em Marketing Político, Comunicação e Planejamento Estratégico de Campanhas Eleitorais pela Universidade Cândido Mendes. Concluiu também os seguintes cursos de extensão: "A Nova Cartografia do Poder, a política brasileira da era digital" (PUC-SP); "WhatsApp em Campanhas Eleitorais (PUC-RJ)"; e "Mídias Sociais e Gestão Estratégica de Campanhas Políticas Digitais (PUC-RJ)".