Concessões federais sobem e chegam a R$ 9,2 bilhões em 2020

Com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o Brasil teve um crescimento de 10,94% em abril de 2022, quando comparado ao mês de 2021, totalizando uma arrecadação de R$195 bilhões. No período de janeiro de 2022 a abril de 2022, o aumento pelo IPCA foi de 11,05%, comparado ao mesmo período do ano passado. A arrecadação no intervalo de tempo foi de R$ 743,2 bilhões. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Economia em nota, nesta quinta-feira (26), após coletiva da Receita Federal.

O chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita Federal, Claudemir Malaquias, atribuiu o recorde de arrecadação à retomada da economia e aos commodities de minerais, metálicas e do setor de serviços. 

Em nota, a pasta também divulgou o acréscimo nas Receitas Administradas. “O valor arrecadado em abril foi de R$ 172 bilhões, representando um acréscimo real (IPCA) de 7,36% em comparação a abril de 2021. No período acumulado de janeiro a abril de 2022, a arrecadação alcançou R$ 691,3 bilhões, registrando acréscimo real de 8,48%. Esse acréscimo, segundo a Receita Federal, pode ser explicado, principalmente, pelo crescimento dos recolhimentos – sobretudo de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL)”. 

Segundo a nota, as arrecadações sobre a Receita Previdenciária e sobre o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) também compactuaram para os crescimentos apresentados em comparação ao ano passado. A Receita obteve arrecadação de R$ 42,6 bilhões, apresentando acréscimo real de 7,69% em abril e de R$ 170,8 bilhões, com acréscimo real de 4,77% no quadrimestre. Já o IRRF arrecadou R$ 5,9 bilhões, com acréscimo real de 61,93% no mês de abril e R$ 22,5 bilhões, com acréscimo real de 46,49% de janeiro a abril de 2022.

Autor