Presidente da República Jair Bolsonaro e o Ministro de Estado da Economia Paulo Roberto Nunes Guedes, durante declaração à imprensa. Foto: Clauber Cleber Caetano/PR

O reajuste salarial a servidores públicos federais ainda é discutido nos bastidores do governo. O mais provável é de que seja concedido aumento linear de 5% a todas as categorias do funcionalismo, como tem defendido o presidente Jair Bolsonaro (PL). Também há possibilidade de aumento no ticket refeição.

Todos os detalhes devem ser ajustados a partir da divulgação do relatório bimestral de receitas e despesas, na sexta-feira (20). Na ocasião, o governo irá realizar uma coletiva de imprensa para divulgar detalhes sobre o caixa da União, o que ajuda o governo a definir novas prioridades com realocação de recursos, contingenciamento, cortes e execução do orçamento.

No Ministério da Economia, a avaliação é de que tudo depende do timing do presidente da República, que ainda não bateu o martelo sobre quando irá definir o aumento, o que pode ocorrer a qualquer momento. Pela Lei de Responsabilidade Fiscal, o reajuste precisa ser aprovado até 2 de julho. O reajuste precisa passar pelo Congresso. A Economia estima que o reajuste vai custar R$ 12,6 bi em 2023.

Autor

  • Editora-chefe na Arko Advice, desde fevereiro de 2022. Antes, atuou como repórter de política na CNN Brasil. Foi correspondente internacional em Nova Iorque pela Record TV. Atua em redação há 18 anos.