Senador Rodrigo Pacheco. Foto: Pedro França/Agência Senado

Após os Três Poderes concordarem com o aumento linear de 5% para os respectivos servidores, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), trata nos bastidores sobre a possibilidade de votar a chamada PEC do Quinquênio.

A proposta resgata o quinquênio, benefício que acrescenta 5% do salário a cada cinco anos, para os membros do Judiciário e do Ministério Público. A pressão para votar a matéria aumentou com a previsão de o governo conceder aumento salarial a todos os servidores federais, o que não inclui magistrados e procuradores.

Votar a PEC seria uma forma, portanto, de atender a essas categorias, cuja demanda tem apoio do presidente do Senado. Na semana passada, Pacheco afirmou que só dependia do colégio de líderes para a PEC entrar na pauta de votação.

Extinto em 2005, o benefício voltou à disussão no Congresso com o texto da PEC 63/2013, que completa oito anos de tramitação. Apesar de ter a bênção de Pacheco, o projeto causa preocupação no Ministério da Economia, que tentam comportar no orçamento promessas de ajuste salarial para diversas categorias do funcionalismo público.

Autor

  • Editora-chefe na Arko Advice, desde fevereiro de 2022. Antes, atuou como repórter de política na CNN Brasil. Foi correspondente internacional em Nova Iorque pela Record TV. Atua em redação há 18 anos.