Foto: Alan Santos/PR

Durante a transmissão da live semanal, o presidente da República, Jair Bolsonaro, rebateu fala do presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Edson Fachin. “Não sei de onde ele está tirando esse fantasma de que as Forças Armadas estão querendo interferir nas eleições”, questionou Bolsonaro. 

Fachin declarou nesta quinta (12) que “quem trata de eleição são forças desarmadas” Atualmente, os testes de segurança das urnas eletrônicas são levados pelo TSE com a finalidade de garantir a transparência dos processos eleitorais. 

“As eleições dizem respeito à população civil que de maneira livre e consciente escolhe os seus representantes, logo, diálogo sim, como eu disse, colaboração sim, como eu disse […] Quem dá a palavra final é a Justiça Eleitoral. A Justiça Eleitoral está aberta a ouvir, mas não está aberta a se dobrar a quem quer que seja tomar as rédeas do processo eleitoral” disse Fachin. 

Bolsonaro, por sua vez,  justificou que a participação das FAA foi motivada por uma portaria editada pelo então presidente do TSE, Luis Roberto Barroso. “Quero deixar claro que as FAA não estão se metendo nas eleições. Elas foram convidadas para a comissão criada para ampliar segurança e a transparência”, declarou. “Por favor, não se refira dessa forma às Forças Armadas. É uma forma descortês de tratar a instituição”, concluiu.

No ano passado, o TSE iniciou investigações para analisar as falas do presidente da República que se tratavam da insegurança do processo eleitoral brasileiro. Os inquéritos foram abertos por Luis Roberto Barroso quando este ainda era presidente do TSE. O atual Ministro do Supremo Tribunal Federal, este ano, afirmou que as forças armadas eram orientadas a atacar o processo eleitoral e descreditá-lo.

Autor