A plataforma de pagamentos do Banco Central (BC), Pix, foi vencedora da categoria inovação em pagamentos, Payment Innovation, na premiação Fintech & Regtech Global Awards 2021. 
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Com a greve de funcionários do Banco Central, o funcionamento do PIX, serviço de pagamentos instantâneos, pode ser paralisado. É o que ameaça o sindicato da categoria caso o governo não se comprometa, até sábado, a conceder reajuste.

Os servidores do Banco Central (BC) anunciaram que irão entrar em greve a partir de sexta-feira (1º) e o presidente do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), Fábio Faiad, observou que a greve dos servidores do BC será feita respeitando a lei de serviços essenciais, mas lembra que o PIX e outras atividades não se encontram no escopo dessa lei.

Além do PIX, outros serviços como a divulgação do boletim Focus e de diversas Taxas, o funcionamento do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB), a mesa de operações do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) e outras atividades também podem sofrer paralisações.

PIX

O PIX é um meio de pagamento instantâneo. O dinheiro pode ser transferido de uma conta para outra, mesmo que não sejam do mesmo banco, em até dez segundos.

No último mês, o presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), defendeu o PIX e disse que o sistema desburocratiza a economia do país. “Hoje nós temos o PIX, que é uma plataforma incrível, sem taxas, que uma pessoa com o código do PIX na mão se torna um microempreendedor”.

Autor

  • Jornalista pela Universidade Católica de Brasília. Nascida em Brasília-DF, tem passagem como repórter na Rádio Senado. No site O Brasilianista cobre política e economia.