O anúncio do deputado estadual Arthur do Val de desistir de concorrer ao Palácio dos Bandeirantes e se desfiliar ao Podemos após a repercussão negativa de áudio com conteúdo machista que viralizou nas redes sociais acabou deixando o ex-ministro Sergio Moro (Podemos) sem palanque em São Paulo (SP).

Após a desistência de Arthur do Val, Moro sugeriu que a deputada federal e presidente nacional do Podemos, Renata Abreu, seja a candidata do partido ao governo paulista.

Renata é vista como uma unanimidade dentro do partido e a escolha de seu nome seria uma forma de pacificar a situação no Estado, onde há um embate entre os prefeitos que querem apoiar o vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB) e o Movimento Brasil Livre (MBL), que já estuda lançar outro nome próprio ao Palácio dos Bandeirantes.

Nos bastidores, a presidente do Podemos se mostra simpática à ideia, mas diz que só poderá confirmar ou não a candidatura após definir as chapas nacionais. Entre os outros nomes cogitados estão o general Santos Cruz (Podemos) e o prefeito de Itapevi, Igor Soares (Podemos).

Desde o início da campanha de Moro à Presidência, Renata tem reforçado a importância de ter um palanque em SP, maior colégio eleitoral do país. A escolha pelo nome de Arthur do Val já havia desagradado prefeitos e deputados estaduais do partido. A possibilidade de o MBL indicar um outro nome, como o vereador Rubinho Nunes ou o ex-secretário de Turismo do Rio Cristiano Beraldo, gerou até ameaça de debandada.

Apesar da defesa que Sergio Moro fez da candidatura de Renata Abreu, a presidente nacional do Podemos afirmou que o partido não trata como prioridade ter candidatura própria ao Palácio dos Bandeirantes.

Renata avalia que “um governador não influencia o voto para presidente” e acredita que ter candidato no Estado “não vai fazer diferença nenhuma no processo eleitoral” para Moro. Com Arthur do Val fora do jogo, a expectativa é que o Podemos apoie a candidatura do vice-governador de SP, Rodrigo Garcia (PSDB).

Autor

  • Bacharel em Ciência Política pela Ulbra-RS. Analista político da Arko Advice Pesquisas e Consultor político e de Marketing Eleitoral formado pela Associação Brasileira dos Consultores Políticos (ABCOP). Possui MBA em Marketing Político, Comunicação e Planejamento Estratégico de Campanhas Eleitorais pela Universidade Cândido Mendes. Concluiu também os seguintes cursos de extensão: "A Nova Cartografia do Poder, a política brasileira da era digital" (PUC-SP); "WhatsApp em Campanhas Eleitorais (PUC-RJ)"; e "Mídias Sociais e Gestão Estratégica de Campanhas Políticas Digitais (PUC-RJ)".