Arko responde: 2022, Lula e o centrão  
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O ex-presidente Lula afirmou que, se for eleito, mudará o modelo da Petrobras: “Vamos rediscutir o papel da Petrobras”. A fala foi logo após o anúncio de novo reajuste nos preços dos combustíveis, e vai no sentido contrário da declaração do presidente Bolsonaro de que não controla os preços. Lula também reafirmou que, se ganhar a corrida ao Planalto, não vai ter “carimbo em terra indígena”, citando o projeto da mineração.

Para o ex-presidente, é necessário investir em refinarias nacionais para que o preço dos combustíveis não fique atrelado ao dólar. Lula discursou para uma plateia de mulheres de esquerda, em um evento em São Paulo.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, criticou a política de preços da estatal e a paridade com o dólar. “Isso é criminoso! Nunca tivemos paridade com preço internacional”, afirmou. “Colocaram o preço de Amsterdã aqui. É uma loucura isso e quem está ganhando são os acionistas privados”, emendou a dirigente petista.

O ex-presidente publicou no Twitter que o aumento anunciado pelo governo federal da gasolina, gás e diesel se deu pela “privatização da BR Distribuidora”, sem citar que foi pela política de preços adotada pela petrolífera. “Sabe por que a gasolina, o gás e o diesel estão caros? Porque esse Brasil tinha uma grande distribuidora chamada BR que foi privatizada e agora você tem empresas importando gasolina dos Estados Unidos em dólar enquanto temos auto suficiência e produzimos petróleo em reais.”

Autor

  • Jornalista pela Universidade Católica de Brasília. Nascida em Brasília-DF, tem passagem como repórter na Rádio Senado. No site O Brasilianista cobre política e economia.