Posto de combustíveis. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Às vésperas de votar as propostas que sugerem formas de baratear o preço dos combustíveis, parlamentares consultados pela Arko Advice ainda estão indecisos sobre os projetos. Senadores afirmam que, durante o feriado, as negociações praticamente estagnaram e pouco se avançou. A maioria dos parlamentares está retornando a Brasília nesta terça-feira (8) e tem dúvidas sobre o mérito das matérias.

Apesar do relator ter feito concessões para buscar aderência em plenário, há quem diga que as mudanças ainda não agradam e são pouco resolutivas. O sentimento de insatisfação toma até aliados do relator, Jean Paul Prates (PT-RN). O colega de partido e autor de uma das matérias, Rogério Carvalho (PT-SE) ficou contrariado com a retirada do imposto de exportação do PL 1472/2021, demanda de diversos lados, inclusive do governo. Não há previsão, por ora, de Jean Paul apresentar novos pareceres.

Enquanto isso, o Palácio do Planalto busca, em reunião nesta terça-feira (8), uma saída em conjunto com a equipe econômica, Ministério de Minas e Energia, Casa Civil e Petrobras. As saídas estão na mesa e vão desde a implementação de um programa de subsídio aos combustíveis até a utilização de crédito extraordinário para compensar a queda nos preços caso seja decretado estado de calamidade pública.

Apesar disso, há quem veja na tomada de dianteira do governo uma forma de assumir a paternidade do que será a solução dos problemas. Outro sentimento em comum entre a maioria dos ouvidos também é de que, além dos preços, o que mais preocupa os envolvidos é o efeito na corrida eleitoral. Tudo isso seria justificável diante do momento incerto que a guerra na Ucrânia provoca no mercado de petróleo. “Guerra é guerra. Tudo que pode vir é exceção, não é a regra”, afirmou uma fonte do governo à Arko.

A votação dos projetos está prevista para a quarta-feira (9), às 16h00, em Sessão Deliberativa Ordinária, no Plenário do Senado Federal.

Autores

  • Jornalista brasiliense formado pela Universidade de Brasília (UnB). Tem passagem como repórter pelo Correio Braziliense, Rádio CBN e Brasil61.com. No site O Brasilianista cobre economia e política.

  • Editora-chefe na Arko Advice, desde fevereiro de 2022. Antes, atuou como repórter de política na CNN Brasil. Foi correspondente internacional em Nova Iorque pela Record TV. Atua em redação há 18 anos.