Plenário da Câmara dos Deputados. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Teve início nesta quinta-feira (3) o período em que os deputados federais podem mudar de partido sem perder o mandato – a chamada “janela partidária”. Com isso, dois partidos de direita passaram a disputar o cargo de maior bancada da Câmara dos Deputados.

Com a concretização da fusão entre PSL e DEM, o União Brasil nasceu já sendo o partido com maior número de deputados federais – no início do mês eram 81. Contudo, o número pode cair por conta da migração de parlamentares alinhados a Jair Bolsonaro.

Quando o presidente deixou o PSL, a debandada já era vista como certa. Deputados bolsonaristas só esperavam a janela partidária para acompanhar Bolsonaro ou se filiar a outros partidos da base do governo.

Lideranças do União esperam que a sigla permaneça com uma bancada entre 60 a 70 deputados. Hoje são 78.

Por outro lado, internamente, o Partido Liberal (PL) calcula que, ao final da janela partidária, a sigla tenha entre 70 e 75 deputados, podendo se tornar a maior bancada da Câmara. Atualmente, são 43. A estimativa é que a maior parte do movimento seja proveniente do recém-criado União Brasil, que hoje abriga boa parte dos aliados de Bolsonaro.

Apesar da janela partidária ter aberto nesta quinta-feira (3), o movimento do União para partidos alinhados a Bolsonaro começou no dia 25, com a mudança de três deputados: Carlos Henrique Gaguim (TO) e Alê Silva (MG) foram para o Republicanos e Bibo Nunes (RS) para o PL, onde assumiu o cargo de vice-líder. A mudança antecipada foi possível devido ao processo de fusão entre DEM e PSL.

Autor

  • Jornalista brasiliense formado pela Universidade de Brasília (UnB). Tem passagem como repórter pelo Correio Braziliense, Rádio CBN e Brasil61.com. No site O Brasilianista cobre economia e política.