As empresas de eventos devem ter à disposição R$ 1 bilhão em crédito para socorrer o setor, por meio do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe).
Foto: Divulgação/Agência Brasil

A atividade industrial iniciou 2022 com desaceleração, seguindo tendência do ano passado. Os dados foram divulgados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), nesta terça-feira (15).

Segundo o boletim Sondagem Industrial, a produção instalada ficou em 43,1 pontos. Em dezembro o registro foi de 43,3. Portanto, o índice de janeiro é praticamente o mesmo de dezembro de 2021.

“O resultado do mês é uma continuidade do que já vinha acontecendo. Dificuldades na produção por conta do problema nas cadeias de suprimentos e demanda mais fraca, por conta da incerteza da economia, desocupação ainda elevada e a perda do poder de compra das famílias por conta da inflação”, destacou o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo.

De acordo com a sondagem, o emprego industrial também recuou, em janeiro o número de empregados alcançou 48,8 pontos. O índice ficou abaixo da linha divisória de 50 pontos, que separa queda de alta do emprego.

Já a utilização da capacidade instalada das indústrias caiu um ponto percentual ao registrado em dezembro, ficando em 67%.

Os empresários seguem otimistas para fevereiro, de acordo com a CNI. A expectativa para o mês é que o índice de expectativa de demanda aumente 1,3 pontos em relação a janeiro, alcançando 56,7 pontos.

Outro índice que mantém a expectativa positiva é o número de empregados, que registrou aumento de 0,5 ponto em fevereiro, chegando a 52,1 pontos. “A intenção de investir segue elevada e sem alterações significativas nos últimos meses”, aponta o levantamento.

Autor