Marcos Pereira, presidente do Republicanos. Foto: Republicanos

Após uma série de conversas com deputados federais e presidentes estaduais do partido, o Republicanos bateu o martelo e decidiu que não irá se federar a outras legendas para disputar as eleições de 2022. O PP, partido de Ciro Nogueira e Artur Lira, chegou a sondar a legenda para selar uma união. Mas a ideia não prosperou.

“O Republicanos decidiu não federalizar porque entende que o modelo aprovado pelo congresso nacional engessa muito o partido e porque o Republicanos tem um projeto consistente de crescimento”, declarou o presidente nacional do partido, Marcos Pereira, à reportagem de “O Brasilianista”.

A discussão já ocorria dentro do partido desde o ano passado, quando a maioria dos integrantes da legenda se manifestou contrária à federação.

Segundo nota publicada nesta quinta-feira (10), o partido está trabalhando para apresentar “um excelente número de candidatos e candidatas com o objetivo claro de ampliar a força republicana no Senado, Câmara dos Deputados e assembleias estaduais.”

O Brasilianista apurou que a legenda espera filiar ao menos mais nove nomes ao partido, enquanto outros quatro devem deixar a sigla para disputar o pleito. O saldo é considerado positivo pela cúpula do Republicanos que, atualmente, é um dos partidos da base do Governo na Câmara. A legenda conta com 31 deputados federais.

A legalidade das federações partidárias foi confirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na quarta-feira. O STF definiu também que a união entre os partidos deve ser oficializada até o fim de maio. O formato possibilita que dois ou mais partidos se unam e atuem juntos durante as eleições e também na legislatura, união que deve ser mantida por, no mínimo, quatro anos.

Autor

  • Editora-chefe na Arko Advice, desde fevereiro de 2022. Antes, atuou como repórter de política na CNN Brasil. Foi correspondente internacional em Nova Iorque pela Record TV. Atua em redação há 18 anos.