Foto: Jaelson Lucas / AEN

O Ministério da Agricultura e Pecuária, divulgou nesta terça-feira (8), que de julho de 2021 a janeiro de 2022 as contratações de crédito rural chegaram a R$ 174 bilhões. O montante desses sete meses foi de 31%, maior em relação a igual período do ano-safra anterior, de 2020/21, quando foram emprestados R$ 132,9 bilhões.

Por meio de nota, a pasta ressaltou que o avanço em comercialização foi garantido sobretudo por milho, soja e café, “em função do aumento de preços e da ampliação de estoques pelas empresas consumidoras”.

Em comercialização, foram contratados recursos 69% maiores, passando de R$ 11,49 bilhões em 2020/21 para R$ 19,45 bilhões no atual ano-safra, que se encerra em 30 de junho. Já em industrialização, as contratações de crédito rural alcançaram R$ 9,48 bilhões, valor 25% maior ante os R$ 7,58 bilhões da safra passada. Segundo nota do Ministério da Agricultura, o avanço em comercialização foi garantido sobretudo por milho, soja e café, “em função do aumento de preços e da ampliação de estoques pelas empresas consumidoras”.

Créditos: Divulgação MAPA

Nesta segunda-feira (7), o governo anunciou a suspensão temporária das contratações de crédito rural financiadas pelo Plano Safra 2021/22. A medida começou a valer a partir de ontem e segue até o dia 28 de fevereiro. De acordo com a secretaria do Tesouro Nacional, a medida se deve a alta da taxa Selic, que chegou a 10,75% ao ano.

O MAPA disse que está negociando para superar as dificuldades orçamentárias, a fim de retornar com as operações o mais breve possível.

“O governo, com a participação dos Ministérios da Agricultura e da Economia, está realizando negociações no sentido de superar essas dificuldades orçamentárias, para a retomada das referidas operações na maior brevidade possível. Apesar dessa interrupção momentânea de contratação com recursos equalizáveis, os produtores rurais continuam tendo a possibilidade de acesso a recursos provenientes de outras fontes de crédito rural”.


Autor