Em primeiro plano, o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Ao fundo, Jean Paul Prates (PT-RN) , ao centro, conversa com Marcos Rogério (DEM-RO) e o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O Senado Federal pode votar no dia 15 de fevereiro os projetos que tratam do preço dos combustíveis. Nesta sexta-feira (4), o senador Jean Paul Prates (PT-RN) esteve reunido com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Foi decidido que a Casa dará prioridade às propostas relatadas por Jean Paul e que já estão em tramitação: o PL que cria um fundo de estabilização dos combustíveis e o PLP que altera a forma de cálculo do ICMS.

Também foram consultados, por telefone, os senadores Carlos Fávaro (PSD-MT) e Alexandre Silveira (PSD-MG), autores de uma PEC que permite a redução de impostos sobre os combustíveis pela União, estados e municípios. Pacheco decidiu não segurar o andamento dessa PEC, que é vista como uma forma de dar andamento ao vale-diesel e ao auxílio para os estados no transporte público. Vale destacar que um auxílio do tipo chegou a ser aprovado como projeto de lei em 2020, mas acabou vetado. Se for estabelecido por PEC não há espaço para veto.


Autor

  • Jornalista brasiliense formado pela Universidade de Brasília (UnB). Tem passagem como repórter pelo Correio Braziliense, Rádio CBN e Brasil61.com. No site O Brasilianista cobre economia e política.