Ex-governador de SP, Márcio França (PSB). Foto: Governo do Estado de São Paulo

Na manhã desta quarta-feira, o ex-governador de São Paulo (SP) Márcio França (PSB) foi alvo de uma operação de busca e apreensão por parte da Polícia Civil. A investigação apura um suposto esquema criminoso de desvios de recursos públicos na área da saúde.

Além de Márcio, seu irmão, o médico Cláudio França, também é alvo da operação. Cláudio é investigado por suposto peculato, associação criminosa e lavagem de dinheiro. De acordo com a Polícia, no suposto esquema, as organizações sociais (as chamadas OSs) seriam usadas para desvios de recursos mediante contratos superfaturados para gestão de unidades de saúde.

A operação da Polícia Civil traz desgaste para a imagem de Márcio França, que é um dos articuladores da aproximação do ex-governador Geraldo Alckmin (Sem partido) com o ex-presidente Lula (PT).

A investigação deve gerar ataques de Márcio ao PSDB, principalmente ao governador de SP, João Doria, já que a Polícia Civil é subordinada ao governo estadual.

O desgaste de Márcio França pode beneficiar, sob o ponto de vista eleitoral, o vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB). Isso porque Márcio tem apelo junto ao eleitorado tucano, e também ao PT, pois o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) disputa com Márcio França a candidatura ao Palácio dos Bandeirantes no campo da esquerda.

A operação também pode respingar nas articulações da aliança entre Lula e Alckmin, já que Márcio é um fiel aliado de Alckmin.

Por meio das redes sociais, o ex-presidente Lula (PT) defendeu Márcio França, alvo de uma operação de busca e apreensão na manhã desta quarta-feira. “Nossa constituição é clara sobre a presunção de inocência. Que se investigue tudo, mas com direito de defesa e sem espetáculos midiáticos desnecessários contra adversários políticos em anos eleitorais. Minha solidariedade para Marcio França”, publicou o pré-candidato à presidência.