Foto: Agência Brasil

O Governo Federal concedeu na sexta-feira (17/12) duas áreas para exploração e produção de petróleo no pré-sal. A concorrência rendeu uma arrecadação de R$ 11 bilhões e deve gerar investimentos de R$ 204 bilhões, segundo estimativa do governo. O leilão é considerado pelo mercado a última grande oferta de blocos para exploração e produção de petróleo do país, diante do fim do estoque de áreas de elevado potencial no litoral brasileiro e de pressões crescentes pela transição energética.

Chamados Sépia e Atapu, os blocos do leilão já haviam sido oferecidos ao mercado em leilão realizado em 2019, mas não atraíram o interesse das petroleiras. Para esta segunda tentativa, o valor dos bônus de assinatura foi reduzido em 70%. Mais caro, o bloco de Sépia foi arrematado por um consórcio formado por Total (França), Petronas (Malásia) e Qatar Petroleum (Catar), que venceram a Petrobras. A estatal, porém, exerceu seu direito de preferência e decidiu participar do consórcio vencedor.

As empresas pagarão o bônus fixo de R$ 7 bilhões e se comprometeram a dar à União 37,43% da produção de petróleo do campo, após desconto dos custos. O valor representa um ágio de 149,20% em relação o mínimo estabelecido.

O bloco de Atapu foi arrematado por um consórcio formado por Petrobras, Shell e Total, que pagará bônus de assinatura de R$ 4 bilhões e se comprometeu a entregar à União 31,68% da produção. O grupo foi o único a apresentar proposta. São duas áreas do chamado excedente da cessão onerosa, descobertas feitas pela Petrobras durante a exploração de blocos que obteve em troca de ações em seu processo de capitalização de 2010, mas que ultrapassam os limites sob domínio da estatal.


Cliente Arko fica sabendo primeiro

Assine o Arko Private, serviço Arko para pessoa física, e tenha acesso exclusivo a um canal privado de interatividade e alertas em tempo real, além de relatórios, Lives Exclusivas e eventos especiais com figuras notáveis da nossa rede de contatos.