Em audiência pública realizada nesta quarta (17/11) na Câmara dos Deputados, a secretária de Telecomunicações substituta do Ministério das Comunicações (MCom), Nathália Lobo, destacou que a rede 5G standalone chegará às capitais até julho de 2022, e nos municípios com mais de 500 mil habitantes até o início de 2023. De acordo com o edital do leilão, de forma escalonada, a nova tecnologia chegará a todos os municípios até 2029.

Durante a audiência pública, Nilo Pasquali, superintendente de Planejamento e Regulamentação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), ressaltou que as quatro faixas de radiofrequência leiloadas (700 MHz; 2,3 GHZ; 3,5 GHz; e 26 GHz) são as que geram o grande valor na prestação de serviços – sendo que as mais altas viabilizam a tecnologia 5G. Ele destacou que a licitação está em fase final, onde é realizada a de homologação dos resultados pelo Conselho Diretor da Anatel. Após isso, as empresas assinam contratos com o Governo Federal, com previsão de cerimônia seja realizada no dia 14 de dezembro.

O leilão do 5G foi concluído no dia 5 de novembro. Claro, Vivo e Tim – as maiores operadoras da telefonia móvel no Brasil – ficaram com as principais faixas. Cerca de 60% dos blocos nacionais de 200 MHz foram arrematados. As aquisições totalizaram 1,2 GHz (gigahertz) de capacidade de rede contratada, de um montante de 2 GHz .

De acordo com Abraão Balbino, presidente da Comissão Especial de Licitação, mais de 85% dos lotes que foram colocados à venda foram comercializados. Quanto ao que não foi vendido, Balbino disse não representar prejuízos. “Todas as obrigações de cobertura que foram disponibilizadas foram contratadas e estão assumidas pelos proponentes vencedores”, assegurou.