Presidente da Câmara, dep. Arthur Lira PP-AL. Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), criticou nesta terça-feira (28/9), a alta do gás e da gasolina. Lira comentou sobre a política de reajustes da Petrobras e disse que o Brasil “não pode tolerar gasolina a quase R$ 7 e o gás a R$ 120”. Segundo o deputado, a Casa irá discutir alternativas para a situação.

“Amanhã, vamos colocar alternativas em discussão no Colégio de Líderes. O fato é que o Brasil não pode tolerar gasolina a quase R$ 7 e o gás a R$ 120”, disse Lira em post feito no Twitter. Nesta terça-feira, a Petrobras anunciou um aumento para o preço do diesel.

“A Câmara dos Deputados está fazendo seu dever de casa para o país retomar a economia respeitando os limites fiscais e sendo responsável em todas as suas sinalizações para o mercado. Mesmo assim, o dólar persiste num patamar alto. Junto com a valorização do barril de petróleo, a pressão no preço dos combustíveis é insustentável”, afirmou Lira.

O presidente da Câmara atribuiu a disparada nos preços dos combustíveis e do gás de cozinha à alta do dólar e petróleo e defendeu que sejam buscadas outras soluções para evitar os frequentes aumentos de preços.

Na segunda-feira (27), o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, afirmou que a política de preços da estatal será mantida, admitindo que os valores podem subir. Em declaração, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que estuda maneiras de reduzir o preço dos combustíveis.

Nesta terça-feira (28), a Petrobras anunciou que vai elevar o preço do diesel vendido às distribuidoras. Com o reajuste, o preço médio de venda do diesel passa de R$ 2,81 para R$ 3,06 por litro, refletindo reajuste médio de R$ 0,25 por litro. O reajuste entra em vigor na quarta-feira (29). Segundo a estatal, a alta de 8,89% vem após 85 dias de preços estáveis para combustível – a última alta antes dessa havia sido em 7 de julho passado.