Com a presença do presidente Jair Bolsonaro, do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), e do ministro Tarcísio de Freitas, o governo deu início, na sexta-feira, às obras de implantação da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico), em Mara Rosa (GO), no ponto de conexão com a Ferrovia Norte-Sul.

Serão 383 quilômetros ligando Mara Rosa a Água Boa (MT), no vale do rio Araguaia. A obra será executada pela Vale, como parte do pagamento da outorga pela renovação antecipada do contrato de concessão da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM). Serão gastos R$ 2,7 bilhões, com previsão de geração de 4.600 postos de trabalho durante a execução das obras.

Futuramente, a ferrovia ligará essa região ao litoral sul da Bahia, por meio da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), que já teve um trecho transferido ao setor privado e tem outros dois em construção. “A gente vai ver a carga do Centro-Oeste saindo pelo porto de Santos (SP), de Itaqui (MA), e, muito em breve, pelo de Ilhéus (BA). Aqui em Mara Rosa estamos vendo surgir o futuro”, declarou o ministro.

A Valec, vinculada ao Ministério da Infraestrutura, detém a concessão da futura ferrovia e conduzirá a obra, que deve ficar pronta em até cinco anos. Coube à empresa elaborar os estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental (EVTEA); construir o projeto básico, que indica o traçado da linha férrea; e obter a licença de instalação junto ao Ibama, que autorizou a execução da obra.

A operadora de ferrovias VLI – que tem como sócios a Vale, grupos canadense e japonês e o Fundo de Investimento do FGTS e do BNDES – se propôs a construir, no regime de autorização, o trecho de 557 quilômetros entre Água Boa e Lucas do Rio Verde, conforme projeto do governo, com investimentos de R$ 6,4 bilhões.