Senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Foto: Beto Barata/Agência Senado

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), apontou, na última terça-feira (17), que não é recomendável um pedido de impeachment de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) ou de presidente da República. Pacheco afirmou que o Brasil vive um momento de retomada do crescimento e uma ruptura no governo pode atrapalhar esse andamento.

“Precipitarmos uma discussão de impeachment, seja do Supremo, do presidente da República ou qualquer tipo de ruptura, não é algo recomendável para um Brasil que espera uma retomada do crescimento, uma pacificação geral, uma pauta de desenvolvimento econômico, de combate à miséria, pobreza de combate ao desemprego”, avaliou Rodrigo Pacheco.

Caso haja um pedido de afastamento dos ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro no último final de semana, Pacheco será o responsável por deliberar sobre a abertura ou não de um processo de impeachment. No sábado (14), Bolsonaro afirmou que pediria ao Senado a abertura de processos desse tipo contra os ministros do STF, no entanto, os textos ainda não foram protocolados.

O presidente do Senado afirmou que já houve pedidos anteriores de impedimento de ministros do STF, mas o Senado decidiu não avançar com o processo. “Já havia pedidos de impeachment de ministros do Supremo no Senado. A presidência entendeu que não havia ambiente nem justa causa para o andamento desses pedidos”, lembrou.

Rodrigo Pacheco disse, ainda, que vai aguardar os desdobramentos e acrescentou que toda iniciativa do presidente da República deve ser considerada, mas é melhor aguardar que os acontecimentos surjam para que haja, então, um posicionamento formal do Senado Federal.


Cliente Arko fica sabendo primeiro

Assine o Arko Private, serviço Arko para pessoa física, e tenha acesso exclusivo a um canal privado de interatividade e alertas em tempo real, além de relatórios, Lives Exclusivas e eventos especiais com figuras notáveis da nossa rede de contatos.