Traduzindo Brasília, novo programa da Arko Advice
Fachada do Congresso Nacional. Foto: Leonardo Sá/Agência Senado

O posicionamento dos partidos acerca da Medida Provisória (MP) da Eletrobras, cuja votação está prevista para esta quarta-feira (16), está dividido. De acordo com apuração da Arko Advice, o PSDB, por exemplo, apesar de ter maioria favorável, decidiu liberar a bancada para votar como bem entender, por conta de divisões internas. À Arko, o senador Plínio Valério (PSDB-AM), que é contrário à MP, disse que a aprovação da Medida Provisória “não será fácil”.

O PSD, de acordo com o líder Nelsinho Trad (MS), também vinha dividido, até que no começo desta tarde foi formada maioria para se aprovar um requerimento que desconsidera mudanças feitas na Câmara – a ideia é retirar “jabutis” sem precisar enviar o texto de volta para os deputados analisarem. “Praticamente todos da bancada são favoráveis à capitalização, mas o caminho para isso que gera divergências, de modo que a proposta dos senadores Álvaro Dias e Flávio Arns atende nossas preocupações”, disse à Arko Advice.

Pelo que apurou a Arko, dentro do MDB há divisão semelhante: há aqueles que rejeitam a privatização, aqueles que apoiam o texto como está e aqueles que querem mudanças para votar.

MP da Eletrobras na Câmara

Em reunião entre o deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), relator da MP da Eletrobras na Câmara, e o senador Marcos Rogério (DEM-RO), relator da proposta no Senado, ficou acertado que o relatório será disponibilizado ainda nesta quarta-feira (16).

Na conversa, o relator afirmou que ainda está tentando costurar um acordo entre os senadores para tentar diminuir as resistências.

O senador alertou o deputado de que não há compromisso em manter a integralidade do texto aprovado pela Câmara dos Deputados.

De acordo com Elmar Nascimento, se o senadores aprovarem o texto com alterações, há possibilidade de votação pelos deputados já nesta quinta-feira (17).

Colaborou: Daniel Marques Vieira