Na última semana, a CPI tem endurecido as medidas tomadas para investigar o governo federal. Essas ações aumentam a temperatura na CPI e aumentam a imprevisibilidade de quais serão os resultados obtidos.

Os integrantes da CPI que fazem parte da oposição ameaçam pedir a condução coercitiva do empresário Carlos Wizard, apontado como conselheiro do presidente, no chamado “gabinete paralelo”. A secretaria da CPI enviou a notificação a Wizard para seu e-mail, WhatsApp e endereço residencial, em Campinas (SP), mas não obteve resposta.

“Se Carlos Wizard não aparecer na quinta, nós iremos tomar as devidas providências”, reafirmou hoje o presidente da CPI, o senador Omar Aziz (PSD-AM).

Anteriormente, a CPI também pediu a quebra de sigilo telefônico de mais de 20 pessoas. O STF derrubou algumas delas, mas foi mantida a quebras de sigilo dos ex-ministros Eduardo Pazuello e Ernesto Araújo, além de Mayra Pinheiro, secretária do Ministério da Saúde.