O total de declarações de Imposto de Renda superou a expectativa da Receita Federal, crescendo 6,8% em relação a 2020. De acordo com o órgão, 34,1 milhões de contribuintes declararam o imposto. No ano passado, a Receita recebeu 31,9 milhões de declarações dentro do prazo.

A Receita Federal acredita que o aumento foi causado porque este ano mais contribuintes resolveram entregar a declaração retificadora, que é quando o contribuinte já enviou a declaração, mas percebeu que cometeu algum erro no preenchimento. Com uma declaração retificadora, ele pode corrigir o problema.

O prazo para enviar a declaração começou em 1º de março e deveria acabar em 30 de abril, mas por causa da segunda onda da pandemia de covid-19, a data limite foi adiada em um mês e encerrou na última segunda (31). Quem perdeu o prazo poderá enviar a declaração do Imposto de Renda a partir das 8h de desta terça-feira (1º), mas será multado em 1% do imposto por mês de atraso (limitado a 20% do imposto total) ou em R$ 165,74, prevalecendo o maior valor.

Restituições

As restituições começaram a ser pagas na última segunda (31) ontem e vão até 30 de setembro, em cinco lotes mensais. O contribuinte que tiver entregado a declaração com mais antecedência, será ressarcido antes. Pessoas com mais de 60 anos, contribuintes com deficiência física ou mental e os que têm doença grave têm prioridade no recebimento do valor.

A Receita registrou o maior pagamento da história com o primeiro lote de restituição, totalizando R$ 6 bilhões. A previsão para o segundo lote, que será pago em 30 de junho, também somará R$ 6 bilhões. O terceiro e quarto lotes, pagos no último dia útil de julho e agosto, serão de R$ 5 bilhões, cada um. O quinto e último lote, previsto para 30 de setembro, terá R$ 3,6 bilhões.