O ministro das Comunicações, Fábio Faria, vai chefiar missão oficial interministerial aos Estados Unidos para, segundo o Ministério das Comunicações (MCom), conhecer e compartilhar experiências sobre segurança cibernética, modelos regulatórios e viabilidade do uso de redes privativas, além de promover o diálogo com potenciais investidores no mercado de telecomunicações brasileiro.
Foto: Divulgação

Em entrevista ao UOL na quinta-feira, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, alertou para o fato de empresas de telecomunicações estarem anunciando a disponibilização de 5G, embora essa tecnologia ainda não exista no Brasil.

“Não existe 5G no Brasil, de nenhuma forma. Não quero fazer nada formal, mas vou dar um aviso. Isso frustra o consumidor”, disse. Ele informou que já existem antenas de 5G no Palácio do Planalto e no Congresso, mas a tecnologia dessa rede ainda não está disponível. E que ocorre uma adaptação da tecnologia 4G, possibilitando que em alguns aparelhos seja possível ter funções como 5G.

Fábio Faria disse que o processo do leilão da rede 5G, previsto para julho, encontra-se em análise no TCU e que o Ministério das Comunicações e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) têm respondido às indagações de técnicos do tribunal.

Ele calcula que o relator do processo, Raimundo Carrero, deve submeter em breve o assunto à análise do plenário. E aguarda a aprovação da proposta, para que a Anatel possa definir a data e as regras do leilão. Insistiu que não se trata de um certame arrecadatório, mas que possibilite investimentos para “ampliar a conectividade do Brasil e acabar com o deserto digital”.

Para tanto, as empresas vencedoras do leilão das faixas que serão ofertadas deverão cumprir uma série de obrigações para levar conectividade às regiões ainda sem internet ou com serviço de baixa qualidade. “A gente vai aproveitar esse valor das outorgas para levar internet a todas as cidades do país. Qualquer localidade acima de 5 mil habitantes receberá internet 4G”, prometeu.