Foto: Divulgação/Midia News Campo Grande

Uma iniciativa que busca ampliar oportunidades comerciais entre mercados emergentes (Sul-Sul) e facilitar o acesso de produtos brasileiros a mercados do Oriente Médio, Ásia e África está sendo aderida por aeroportos e portos brasileiros. A World Logistics Passport (WLP), em tradução livre Passaporte Mundial de Logística, é uma proposta do governo de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

No Brasil, até o momento, apenas o Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP) e o terminal da que pertence ao Grupo DP World (Dubai Ports World), no Porto de Santos (SP) aderiram a proposta. O Presidente da República, Jair Bolsonaro, disse, na última semana, por meio de suas redes sociais, que apoia a participação de aeroportos e portos brasileiros no WLP.

“Saúdo a participação de aeroportos e portos brasileiros no Passaporte Logístico Mundial, iniciativa dos Emirados Árabes que ampliará as oportunidades comerciais entre mercados emergentes e facilitará o acesso dos nossos produtos aos mercados do Oriente Médio, Ásia e África”, escreveu.

O aceno de Bolsonaro foi respondido pelo o emir de Dubai, primeiro-ministro e vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos, Mohammed bin Rashid Al Maktoum. “Damos as boas-vindas ao Brasil – uma das mais importantes economias mundiais – que está aderindo à iniciativa do passaporte logístico liderada por Dubai para construir uma rede logística de transporte de mercadorias e produtos para todo o mundo. Procuramos conectar o leste do mundo com seu oeste, norte e sul, e hoje temos parceiros da Indonésia e Índia no leste, e do Brasil e Colômbia no oeste”, disse Al Maktoum.

WLP

O Passaporte Mundial de Logística é um programa governamental dos Emirados capitaneado por Dubai. O intuito do WLP é construir um programa de fidelidade para as empresas que atuam de forma mais relevante em mercados emergentes utilizem rotas Sul-Sul, para fazer com que suas mercadorias cheguem principalmente na Ásia, usando Dubai como um eixo integrador entre diversos portos e aeroportos espalhados pelo mundo.

Ano a ano as empresas inscritas no programa precisarão comprovar que aumentaram o fluxo comercializado por aquela rota. A partir disso, elas irão ser promovidas de categorias, assim como nos programas de milhas para passageiros, como Gold, Silver e Platinum. Conforme elas forem avançando nas categorias, terão mais benefícios do ponto de vista de custos e prazos na exportação e importação.