Foto: Agência Brasil

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou R$ 100 milhões em crédito para a Usina Santa Adélia S.A, como parte do Programa BNDES RenovaBio, vinculado ao programa de mesmo nome do Ministério de Minas e Energia. É a primeira operação do programa, que tem o objetivo de estimular a redução de emissões de carbono com o uso de combustíveis. Para a liberação, são avaliados aspectos ambientais, sociais e de governança corporativa.

A usina beneficiária é produtora de biocombustíveis e localizada em Jaboticabal (SP). O financiamento do BNDES tem como objetivo melhorar a eficiência energética da planta, visando a redução das emissões de carbono. Caso seja bem-sucedida, terá direito a reduções no custo do empréstimo (no spread básico do BNDES).

O BNDES RenovaBio é uma linha de crédito pautada em metas de redução de emissão de carbono. Empresas que contratarem recursos no âmbito do RenovaBio e que, ao longo do período de pagamento dos empréstimos, alcançarem as metas de redução de emissão de CO2 estipuladas pelo programa, terão redução na taxa de juros. Caso a empresa venha a ser descredenciada do Programa RenovaBio, terá como penalidade a elevação da taxa.

Para avaliar o alcance das metas, o BNDES utilizará o Fator de Emissão de Certificados de Descarbonização (CBIOs), indicador publicado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O CBIO é emitido por meio de bancos ou outras instituições financeiras, pelo produtor ou importador de biocombustível certificado. É um ativo financeiro comercializável no mercado por produtores e distribuidores de combustíveis e outros investidores. Uma unidade de CBIO corresponde a uma tonelada de carbono que deixa de ser emitida no meio ambiente.

O Programa BNDES RenovaBio pretende, assim, contribuir para o aumento da produtividade e da difusão de inovações tecnológicas e, com isso, garantir aos consumidores menor preço e maior oferta de biocombustíveis ainda mais sustentáveis.