Divulgação

A contratação de um novo sistema de computação em nuvem, que permite acessar o mesmo arquivo em diferentes dispositivos, fez com que a União deixasse de gastar R$ 304 milhões. A licitação que contratou o serviço para 52 órgãos federais, teve o resultado divulgado na semana passada pelo Ministério da Economia.

A compra centralizada no valor de R$ 66 milhões, representou uma redução de 82,2% em relação ao preço estimado de R$ 368 milhões. A empresa vencedora da licitação foi a Extreme Digital Solutions.

De acordo com a Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, o modelo contratado cria a possibilidade de os órgãos públicos armazenem recursos na nuvem sob demanda. Dessa forma, os serviços e as funcionalidades podem ser ajustados conforme as necessidades de cada órgão.

Além disso, a mudança ajudará na transformação digital do governo, uma vez que permite que um mesmo arquivo armazenado na nuvem pública seja acessado por diferentes dispositivos. O novo sistema oferece, ainda, um menu de serviços de computação em nuvem variados para os órgãos públicos. Cada pasta poderá escolher os serviços e as configurações disponíveis, segundo as características de cada um.