O hidrogênio, um dos combustíveis buscados pelo Ministério de Minas e Energia, pode ser usado como combustível de foguetes. Foto: ROSCOSMOS

Ministério de Minas e Energia (MME) participou, na última quarta-feira (14/4), do evento Diálogo de Alto Nível União Europeia-Brasil sobre as Mudanças Climáticas, a Biodiversidade e o Desenvolvimento Sustentável. A reunião foi promovida pela Delegação da União Europeia (UE) no Brasil e pelo Ministério das Relações Exteriores brasileiro, no âmbito da Parceria Estratégica Brasil-UE.

A conferência debateu energia limpa, biodiversidade e implementação da agenda 2030 – planejamento da Organização das Nações Unidas (ONU) para, entre outros temas, reduzir o desmatamento global.

O MME participou do painel “Transição para uma Energia Limpa”, com o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético, Paulo Cesar Domingues, que apresentou os avanços do Brasil no campo da energia limpa, sustentável e acessível.

Cesar Domingues defendeu a utilização de soluções híbridas para a transição energética. De acordo com o secretário, as tecnologias mistas combinam as vantagens da bioenergia sustentável, da hidroeletricidade, das energias solar e eólica, além da energia nuclear, em conjunto com fontes fósseis de menor emissão de CO2, como o gás natural.

“Além dos recursos tradicionais, o Brasil pode contribuir com a transição energética de outros países na produção de hidrogênio, aproveitando a abundância de recursos energéticos e das tecnologias já desenvolvidas”, afirmou Paulo Cesar.

Mercado de hidrogênio

Com o objetivo de aumentar o uso de energias renováveis no país, além do evento com a União Europeia, o Ministério de Minas e Energia participou, entre os dias 14 e 15/4, do 1º Congresso do Hidrogênio para a América Latina e Caribe (H2LAC 2021). A conferência, cuja organização foi feita pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e pelo grupo New Energy, teve por intuito acelerar o desenvolvimento do mercado de hidrogênio (fonte de energia que pode ser usada como combustível de carros, foguetes, entre outros) na América Latina e Caribe.

Entre outros convidados para os dois dias de conferencia, o Ministro Bento Albuquerque participou de um painel de discussão com os ministros do Chile, Colômbia, Costa Rica e Uruguai sobre a oportunidade de posicionar a região da América Latina e Caribe como líder mundial em hidrogênio.

Bento ressaltou que o Brasil, com 83% de renováveis na matriz elétrica, tem potencial para gerar hidrogênio verde (H2V) – obtido a partir de fontes renováveis, em um processo no qual não haja a emissão de carbono – de forma “altamente competitiva”. O ministro ainda pontuou que submeterá ao Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) uma resolução determinando que se estabeleçam as diretrizes para um Programa Nacional de Hidrogênio (visando aumentar essa fonte de energia no país).

O evento também contou com a presença da secretária-executiva da Indústria do Governo do Ceará, Roseane Medeiros, que integrou painel sobre criação de um mercado de hidrogênio na América Latina e Caribe. A secretária apresentou o projeto do Governo do Ceará, lançado em fevereiro de 2021, que lançou um programa de produção de hidrogênio verde no estado.

Medeiros ainda assinou um memorando de entendimento – primeiro passo para a formalização de um documento jurídico mais elaborado como um contrato social – com a empresa australiana Enegix Energy, que pretende instalar uma usina para produzir H2V no Complexo do Pecém, com investimentos estimados em US$ 5,4 bilhões.

Biocombustíveis

Nesta quinta-feira (22), será realizada uma mesa redonda com autoridades de governos da América Latina e Caribe. O diretor do Departamento de Biocombustíveis, da Secretaria de Petróleo e Gás Natural e Biocombustíveis do MME, Pietro Mendes, discutirá o hidrogênio como meio de descarbonização, com foco na cadeia de combustíveis.