Ngozi Okonjo-Iweala, diretora-geral da OMC. Foto: Divulgação

A Organização Mundial do Comércio (OMC), durante um evento realizado entre 23 e 25 de março, soltou uma publicação na qual aponta que as economias africanas foram fortemente prejudicadas pela desaceleração do comércio provocada pela pandemia da Covid-19.

Intitulado de “Fortalecimento da capacidade de comércio da África”, o documento aborda como os países africanos podem melhorar o sistema de comércio multilateral para alcançarem vantagens dentro dos mercados internacionais e terem uma transformação em suas economias.

A África subsaariana teve um decréscimo de 8,0% e foi duramente atingida pela desaceleração do comércio e da atividade econômica causada pela crise da Covid-19, de acordo com o relatório. A OMC fez vários esforços para tentar minimizar o efeito da crise para o continente africano; assistência técnica e atividades de capacitação para os países em desenvolvimento e menos desenvolvidos.

A iniciativa de Ajuda para o Comércio liderada pela OMC e o apoio para a implementação da Facilitação do Comércio Acordo foram algumas dessas medidas para com esses países.

A OMC teve um envolvimento de 16% de todas as atividades de assistência técnica focadas em países africanos, o que representa um investimento maior que em qualquer outro lugar do mundo.

Investimento esse, que engloba medidas como habilidades de negociação comercial, e-turismo, o Acordo Geral sobre o Comércio em Serviços, o Acordo sobre a Aplicação de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias, o Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio, subsídios à pesca e cursos de política comercial.