Divulgação

A Polícia Federal prendeu o homem suspeito de ser o responsável pelo maior vazamento de dados já feito no Brasil. Ele foi detido durante cumprimento de mandado de busca e apreensão, nesta sexta-feira (19), em Uberlândia, em Minas Gerais.

A Operação Deepwater, da PF, investigava a obtenção, divulgação e comercialização de inúmeros dados sigilosos de pessoas físicas e jurídicas – tais como Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) e Cadastro de Pessoas Jurídicas (CNPJ), nome completo e endereço, que foram disponibilizados ilicitamente, em janeiro último, por meio da internet.

“Após diversas diligências, a PF identificou o suspeito pela prática dos delitos de obtenção, divulgação e comercialização dos dados; e um segundo hacker que estaria vendendo os dados por meio de redes sociais”, informou a corporação por meio de rede social.

O vazamento dos dados foi revelado por um laboratório especializado em segurança digital da startup PSafe, o Dfndr Lab. As informações poderiam ser adquiridas por meio do pagamento em criptomoedas e foram colocadas à venda, em fóruns na internet. Mais de 223 milhões de CPFs, além de informações detalhadas como nomes, endereços, renda, imposto de renda, fotos, beneficiários do Bolsa Família e scores de crédito foram vazados.

No total, foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva nos municípios de Petrolina (PE). A identidade do preso ainda não foi revelada