Servidor da Fiocruz prepara vacina de Oxford/AstraZeneca para a primeira aplicação no Brasil. Foto: Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

A Dinamarca interrompeu sua campanha de vacinação contra a Covid-19 com o imunizante da AstraZeneca/Oxford. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (11) pela Danish Health Authority – órgão público de saúde do país (similar ao ministério da Saúde) – após reações adversas em pacientes imunizados e até uma morte supostamente causada vacina.

Segundo o ministro da saúde local, Magnus Heunicke, “as autoridades de saúde, com precaução, suspenderam a vacinação com AstraZeneca após um sinal de um possível efeito colateral sério na forma de coágulos sanguíneos fatais. Atualmente não é possível concluir se há uma conexão. Agimos cedo, deve ser investigado exaustivamente”.  

A interrupção foi decidida como medida de precaução enquanto uma investigação está em andamento sobre relatos de coágulos sanguíneos em pessoas que receberam a vacina, incluindo um caso de morte.  

Foto: Governo do Estado de São Paulo

No entanto, de acordo com a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) – um dos órgaõs que lida com a administração e manutenção da Saúde pública do continente -,  ainda não há comprovação de que a vacinação tenha causado essas condições, que não estão listadas como efeitos colaterais com esta vacina. A EMA ainda recomendou que a campanha de imunização continue. Segundo o órgão, “os benefícios da imunização são maiores do que os possíveis ricos”. 

“A posição do comitê de segurança da EMA é de que benefícios da vacina continuam a superar seus possíveis riscos. Dessa forma, recomendamos que a imunização continue enquanto a investigação de casos de eventos tromboembólicos estão em andamento. Estamos revisando todos os casos e outras condições relacionadas a coágulos sanguíneos relatados após a vacinação com a vacina COVID-19 AstraZeneca”, disse o órgão. 

Até o dia 10 de março de 2021, 30 casos de eventos tromboembólicos foram relatados entre cerca de 5 milhões de pessoas vacinadas com a vacina AstraZeneca COVID-19 no Espaço Econômico Europeu.