Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Um ano após o início da pandemia do novo coronavírus no Brasil, diversos países ainda prorrogam o fechamento das fronteiras para conter a Covid-19. No domingo (28), a Argentina estendeu os impedimentos de viagem até, pelo menos, dia 12 de março, enquanto o Peru manteve até dia 14. Portugal também prorrogou as restrições de acesso até pelo menos 11 de março.

A ministra da Saúde da Argentina, Carla Vizzotti, justificou a prorrogação das medidas de fechamento de fronteiras por conta das novas variantes do coronavírus. No Brasil, a variante de Manaus, batizada de P.1., é uma versão mais transmissível da doença. O decreto que estava em vigor anteriormente na Argentina permitia que as fronteiras fossem reabertas no dia 1º de março, mas as autoridades sanitárias julgaram necessário manter o bloqueio e a redução de 50% dos voos entre os países.

O governo do Peru registrou no país a presença da nova variante brasileira do coronavírus em três regiões, incluindo a cidade de Lima, no dia 4 de fevereiro. Os voos vindos do Brasil estão proibidos no país desde 26 de janeiro.

A Argentina está reduzida a frequência de voos vindos de outros países, como o Reino Unido, Estados Unidos, México. Apenas podem ser aceitas no país pessoas de nacionalidade argentina ou residentes. Já o Peru também estendeu até 14 de março a suspensão de voos com duração maior do que oito horas. Todos os passageiros que chegam a solo peruano também devem apresentar teste negativo para COVID-19, e respeitar quarentena obrigatória de 14 dias.

Portugal

O governo português também suspendeu os voos comerciais de e para o Brasil no dia 27 de janeiro, também como medida de contenção devido ao aumento de casos de Covid-19. A medida valerá até pelo menos dia 11 de março. Segundo o Ministério do Interior, apenas voos humanitários e de repatriação são permitidos. A variante brasileira apareceu em território português pela primeira vez no dia 10 de fevereiro.

Na sexta-feira (26), voo especial articulado pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil repatriou 298 passageiros de Lisboa, com destino a Guarulhos. Segundo estimativa da Associação Brasileira de Portugal, pelo menos 300 brasileiros ainda seguem sem perspectiva de retornar.