Dep. Daniel Silveira (PSL - RJ). Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

Caso a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) seja mantida após a audiência de custódia marcada para a tarde de hoje, a Câmara terá a difícil missão de arranjar uma solução que não deixe o episódio passar impune e que, ao mesmo tempo, não alimente uma crise institucional.

De acordo com líderes governistas ouvidos pela Arko Advice, a única saída possível é de um acordo da Câmara com o próprio STF, hipótese que vem sendo trabalhada pelo presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL).

Lira articula que o STF relaxe a prisão para que o deputado seja punido pela própria Casa, no Conselho de Ética, que foi reativado especialmente para analisar esse caso – um recado aos ministros de que a Câmara vai sim punir Daniel Silveira.

Na avaliação de um deputado, a confirmação da prisão por 11 a 0 pelo STF não deixou margem para que os deputados votem a favor de Silveira “sem se queimar”.

Uma prova é que Bia Kicis (PSL-DF), bolsonarista de carteirinha, crítica dos ministros do STF e cotada para presidir a CCJ, até agora não se manifestou a favor do colega com receio de ser vista como defensora de atos inconstitucionais, perdendo apoio e, consequentemente, a posição na comissão.

Caso o STF não aceite a negociação, é muito provável que a Câmara mantenha a prisão de Daniel Silveira. Caso contrário, a avaliação de deputados é que a imIIagem da Câmara pode sair manchada dessa história.

Saiba mais sobre o caso: