Foto: Marcos Corrêa/PR

A pesquisa divulgada hoje pelo Exame/Ideia Big Data aponta que a avaliação negativa (ruim/péssimo) do governo Jair Bolsonaro é de 43%. A avaliação positiva (ótimo/bom), por outro lado, soma 31%. O índice regular soma 24%. A sondagem foi realizada no dia 11 de fevereiro.

De acordo com o levantamento, 44% dos entrevistados desaprovam o trabalho de Bolsonaro como presidente. 27% aprovam e 26% não aprovam nem desaprovam. Entre os que desaprovam Bolsonaro, 52% pertencem às classes D e E, o que é um indício que esse percentual negativo pode estar ligado ao fim do auxílio emergencial.

A pesquisa aponta que a desaprovação ao governo é majoritariamente concentrada nas regiões metropolitanas (51%). No interior, por exemplo, a desaprovação é menor (35%).

Questionados sobre a eleição de Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) para as presidências da Câmara e Senado, 33% responderam que a situação do país vai melhorar. 31% acham que ficará igual. E 24% acreditam que irá piorar.

Em relação ao ritmo da vacinação, 65% entendem que o país está atrasado nesse tema. 19% entendem que está no prazo adequado. E apenas 4% que o Brasil está adiantado na imunização.

Sobre o auxílio emergencial, a maioria dos entrevistados (48%) acreditam que o benefício irá voltar. 23% entendem que não irá voltar. E 30% não souberam responder.

No entanto, para 73% dos entrevistados, o mais importante para o país em 2021 é acelerar o ritmo da vacinação contra a covid-19. E 27% citam que a prioridade deste ano deve ser a volta do pagamento do auxílio emergencial.