Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A vacina contra a COVID-19 Sputnik V, desenvolvida pelo instituto russo Gamaleya, teve eficácia de 91,6%. Resultados preliminares foram divulgados nesta terça-feira (2) na revista científica The Lancet. O índice de eficácia contra casos moderados e graves foi de 100%.

Outro resultado mostrado foi a eficácia do imunizante em idosos. Para indivíduos com mais de 60 anos, a eficácia foi de 91,8%. É a quarta vacina contra a doença a ter resultados publicados em revista. Fora a Sputnik, foram validadas a da Pfizer/BioNTech, da Oxford/AstraZeneca e a da Moderna.

A vacina da Rússia é aplicada em duas doses, assim como a CoronaVac. A segunda dose é administrada 21 dias após a primeira. Os resultados publicados sugerem o início de efeito parcialmente protetor entre 16 e 18 dias após a primeira. Nenhum efeito colateral foi associado à vacina.

A Sputnik V ainda não está sendo testada no Brasil. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) analisa no momento pedido da farmacêutica União Química para que os ensaios de fase 3 sejam realizados no país.